Carta de Viktor Frankl a amigos logo após a Segunda Guerra

Atualizado: 14 de Fev de 2019



Extraído de cartas selecionadas, discursos e ensaios de 'Em busca de sentido' de Viktor Frankl. Esta é uma tradução da versão em inglês de Helen Pisano publicada no huffingtonpost.com em 28/10/2014. Copyright 2014. Extraído com permissão da Beacon Press.


Traduzido para o português por Élison Santos



Carta para Wilhelm e Stepha Börner


14 de setembro de 1945


Meus queridos!


Eu estou em Viena há quatro semanas. Finalmente, há uma oportunidade para escrever para você. Mas tenho apenas notícias tristes para comunicar: pouco antes de minha partida de Munique, soube que minha mãe foi enviada para Auschwitz uma semana depois de mim. O que isso significa, você sabe muito bem. E eu mal cheguei a Viena quando me disseram que minha esposa também estava morta. Ela foi enviada de Auschwitz para trabalhar nas trincheiras de Trachtenberg, em Breslau, e depois para o infame campo de concentração de Bergen-Belsen. Lá, as mulheres suportaram “um sofrimento terrível e indescritível”, como foi colocado em uma carta de uma ex-colega de Tilly, na qual o nome de Tilly é listado como uma das que morreram de tifo (a carta era da única ex-enfermeira sobrevivente do hospital, como eram, em Bergen-Belsen). Eu tive o "indescritível" descrito para mim por uma sobrevivente de Bergen-Belsen. Eu não posso repetir.


Então, agora estou sozinho. Quem não compartilhou um destino semelhante não pode me entender. Estou terrivelmente cansado, terrivelmente triste, terrivelmente solitário. Não tenho mais nada a esperar e nada mais a temer. Não tenho prazer na vida, apenas deveres, e vivo da consciência. . . . E assim eu me restabeleço, e agora estou reescrevendo meu manuscrito, tanto para publicação quanto para minha própria reabilitação. Alguns velhos amigos bem colocados assumiram minha causa da maneira mais comovente. Mas nenhum sucesso pode me fazer feliz, tudo é sem peso, vago, vão aos meus olhos, me sinto distante de tudo. Tudo não diz nada para mim, não significa nada. Os melhores não retornaram (também, meu melhor amigo [Hubert Gsur] foi decapitado) e eles me deixaram sozinho. No acampamento, acreditávamos que havíamos atingido o ponto mais baixo - e então, quando voltamos, vimos que nada sobreviveu, que aquilo que nos mantinha de pé foi destruído, ao mesmo tempo em que nos tornamos humanos novamente foi possível cair mais fundo, em um sofrimento ainda mais ilimitado. Talvez nada mais resta a fazer do que chorar um pouco e navegar um pouco pelos Salmos.


Talvez vocês sorriam para mim, talvez estejam com raiva de mim, mas eu não me contradigo nem um pouco, não tiro nada de minha antiga afirmação de vida, quando experimento as coisas que descrevi. Pelo contrário, se eu não tivesse essa visão positiva da vida - o que seria de mim nas últimas semanas, naqueles meses no acampamento? Mas agora vejo as coisas em uma dimensão maior. Eu vejo cada vez mais que a vida é muito significativa, que no sofrimento e até no fracasso ainda deve haver sentido. E meu único consolo está no fato de poder dizer com toda a boa consciência que percebi as oportunidades que se apresentavam para mim, quero dizer: que as transformei em realidade. Este é o caso em relação ao meu casamento curto com Tilly. O que experimentamos não pode ser desfeito, aconteceu, mas este 'ter sido' talvez seja a forma mais certa de ser.


Para terminar, algumas boas notícias: Vally Laufer está vivo e bem em Viena, ficou aqui escondido como um "U-boat" (um ilegal)! Deixo para vocês contarem gradualmente a verdade para Stella e meu sogro, assim como meu cunhado Gustav D. Grosser. Infelizmente, Walter provavelmente também morreu em Auschwitz. E a tia de Tilly, Hertha Weiser, perdeu o marido em um tiroteio nos últimos dias de luta em Viena. Vocês estão em contato com Eugen Hofmann, Elsie Kupferberg e Thea Kissmann? Vocês receberam minha segunda carta via Berman? Perdoe esses rabiscos desarticulados, mas tenho que escrever pouco a pouco durante minhas horas de cirurgia.


Com as saudações mais calorosas!


Seu Viktor

1,416 visualizações

Bem vindos!

Instituto Busca Sentido - CNPJ: 31.444.724/0001-58
Editora Busca Sentido -  CNPJ: 36.750.017/0001-03
Entrega de Livros em até 30 dias
  • Facebook Clean
  • YouTube - Círculo Branco
  • White Instagram Icon

© 2018 Instituto Busca Sentido 

Instituto Busca Sentido - Editora Busca Sentido
Av Cassiano Ricardo, 319 - Sl 1006 - Jd Aquarius - CEP 12246-870
São José dos Campos SP